Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

As bactérias das mãos estão se tornando resistentes ao álcool. E agora?

O que devemos fazer quando nem o álcool que passamos nas mãos para desinfetá-las tem mais efeito?

Qual o real perigo de conviver com as bactérias ativas em nosso corpo?

Vamos entender melhor o que está acontecendo…
 
Em 2002, os hospitais australianos introduziram novos procedimentos para ajudar a reduzir as infecções por Staphylococcus aureus.

Uma das principais alternativas era a lavagem das mãos com higienizadores de mãos à base de álcool antes e depois das interações com os pacientes.

Staphylococcus aureus é uma bactéria que está naturalmente presente na pele e que pode invadir o corpo e causar uma série de infecções.

Pois, como esperado, o desinfetante para as mãos teve o efeito pretendido – novas infecções por Staphylococcus aureus vêm caindo há 15 anos.
 
Mas acontece que o coautor do estudo, Paul Johnson, observou que o declínio nas infecções por essa bactéria foi acompanhado por um aumento lento nas infecções por Enterococcus faecium.

Ele sugeriu que talvez as bactérias estivessem evoluindo para tolerância aos sanitizantes à base de álcool.

E isso é assustador e muito preocupante.

Embora a ideia parecesse absurda, um experimento foi planejado para confirmar ou negar essa hipótese.

Mas o que a experiência mostrou?

139 culturas de bactéria enterocócica (um micróbio que normalmente vive em nossos intestinos, mas pode causar infecções perigosas e até mesmo sepse se ocorrer em qualquer outro lugar) foram recolhidas de hospitais australianos ao longo dos últimos anos.

Elas então foram tratadas com uma solução de álcool semelhante à usada em desinfetantes comuns para as mãos.

A conclusão é que o álcool etílico mata sim os germes.

Mas é preciso ficar atento: a eficácia dos higienizadores de mãos depende do uso adequado.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que as pessoas esfreguem o desinfetante (álcool) em suas mãos por 20 a 30 segundos.

O problema é que nem todo mundo faz isso.

O uso de qualquer agente antimicrobiano em nível subterapêutico pode levar à imunidade bacteriana e é essa uma das principais causas de resistência a antibióticos.

Ou seja, as bactérias que não foram mortas pelo álcool, seja porque foram expostas por muito pouco tempo ou tiveram uma mutação natural que lhes deu alguma proteção, foram capazes de sobreviver e se multiplicar.

As medidas introduzidas na Austrália para reduzir as infecções por Staphylococcus aureus em hospitais foram amplamente bemsucedidas, mas tiveram o efeito colateral de aumentar o número de infecções por Enterococcus faecium.

Para evitar uma proliferação das bactérias e um risco maior de morte por infecção, é preciso entender que, em primeiro lugar, as bactérias ainda morrem quando colocadas em concentrações mais elevadas de álcool.

Em segundo lugar, essa tolerância aos sanitizantes alcoólicos não se estende a outras práticas de higiene.

A lavagem das mãos ainda é bastante eficaz contra praticamente tudo.

Fonte: Big Think

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

DEIXE SEU COMENTÁRIO

VEJA TAMBÉM