Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

As 15 lagartas mais venenosas do mundo

Nunca toque nestas lagartas, pois o veneno delas pode até matar você.

A primavera é a estação mais florida e linda do ano.

Junto com as flores e plantas que ela traz, nos encantamos também com a cor viva das borboletas que chegam atraídas pelo aroma da floração.

O problema é que, se há borboletas, há também lagartas.

E o pior: muitas delas são venenosas.

As lagartas se alimentam das folhas, crescem, fazem casulos fornecem energia suficiente para uma futura borboleta. 

Mas além de comerem as plantas e destruírem uma floração inteira, esses bichos venenosos podem ser perigosos para quem tenta tocá-los ou comê-los. 

Os milhares de pelos minúsculos da lagarta contêm uma substância irritante chamada thaumetopoein.

O contato com esses cabelos pode causar erupções cutâneas com comichão, dor de garganta, dificuldades respiratórias e problemas oculares.

Isso pode acontecer se pessoas ou animais tocarem nas lagartas ou em seus ninhos, ou se os cabelos entrarem em contato com o vento.

As lagartas também podem soltar os pelos como um mecanismo de defesa e muitos desses pelos são deixados nos ninhos, e é por isso que não devem ser tocados sem roupas de proteção.

Veja agora quais são as 15 lagartas mais venenosas do mundo.

Lagarta de traça de Buck             

Com o corpo preto e manchas brancas, elas preferem comer folhas de carvalho, mas também podem comer salgueiro, avelã, cereja e rosa, além de gramíneas.

Lagarta de Saddleback

Os espinhos quebráveis ​​no corpo da lagarta carregam um veneno que pode causar reações diferentes, desde simples erupção cutânea ou inchaço até choque grave.

Semelhantes às lesmas, seu corpo é marrom e é possível perceber dois espinhos grossos na cabeça dessas lagartas.

O potente veneno da Saddleback destrói as células sanguíneas.

Mesmo uma pequena picada pode causar asma, dor de estômago e sangramento.

Lagarta-aranha ou lesma-macaco

Também chamada de lagarta lesma-macaco, a lagarta-aranha tem um corpo curto e atarracado, com nove pares de “braços” flexíveis, cobertos por cabelos castanhos e finos.

O veneno dessa lagarta é leve, mas pode causar fortes reações alérgicas em pessoas sensíveis.

Lagarta Lophocampa caryae

Ela tem o corpo pintado em preto e branco e possui cabelos finos nas laterais.

O veneno dela está nos longos pelos pretos da parte traseira do corpo da lagarta.

O veneno provoca erupção cutânea ou inchaço semelhante à hera venenosa.

Cuidado com essas lagartas de julho a setembro, quando elas se movimentam e se alimentam ativamente.

Lagarta mariposa-flanela

Esta lagarta tem um veneno altamente perigoso e pode destruir as células sanguíneas.

Se você tocar em uma lagarta como essa, pode sentir dor ardente imediatamente e erupção cutânea.

E mais:  é possível desenvolver sangramento, dificuldade para respirar e outros sintomas perigosos.

Lagarta lesma de carvalho espinhoso

Ela pode aparecer duas vezes por ano em áreas mais quentes e apenas uma vez por ano na primavera nas áreas mais frias.

Esta lagarta se alimenta exclusivamente de folhas de carvalho.

O corpo da mariposa espinhosa de carvalho é coberto por grossas estruturas ramificadas, semelhantes a chifres, com pequenos espinhos curtos, parecendo árvores de azevinho.

O veneno dele está na coluna e causa alergias leves.

Lagarta verde (Automeris io)

À medida que cresce, esta lagarta muda de cor de marrom avermelhado com espinhos pretos para verde-claro com listras branco-avermelhadas.

Os espinhos dispostos em ” cachos ” são levemente venenosos e provocam reações alérgicas.

Lagarta de mariposa de flanela branca

Parente da lagarta mariposa de flanela do sul, esta lagarta tem um corpo pequeno e de cor escura, com manchas redondas de cor amarela.

Ela possui mechas de cabelo preto venenosos nas costas e provocam dor, às vezes alergia e inchaço.

Lagarta picada rosa

Com corpo amarelo ou laranja brilhante, possui uma faixa roxa característica ao longo das costas.

O veneno dela está nas estruturas grossas de chifre amarelo com espinhos menores e mais finos que cobrem o corpo.

O veneno causa principalmente reações alérgicas.

Essa lagarta pode ser encontrada em roseiras, bordos, carvalhos, choupos e nogueira.

Lagarta de punhal americana

O corpo da lagarta americana da traça-punhal é curto, coberto com pelos finos e longos e verdes.

Seu cabelo espesso preto é a fonte de veneno que pode causar uma erupção cutânea dolorosa.

Lagarta da adaga manchada

A lagarta da adaga manchada também tem cabelos que causam dor intensa, até alergia e inchaço.

Ela se alimenta de qualquer coisa, desde gramíneas a árvores frutíferas.

Lagarta Neoprocris floridana

O perigo deste tipo de lagarta vem do pelo pequeno, curto e amarelado que cobre o corpo.

O pelo literalmente pica – a vítima primeiro sente dor, depois uma erupção cutânea se desenvolve na pele e, em seguida, surgem bolhas.

Lagarta da folha de carvalho variável (Lochmaeus manteo)

Mesmo que haja variações diferentes, as cores principais da lagarta são vermelhas e verdes.

Em vez de espinhos venenosos, essa lagarta produz ácido fórmico que arde e pode causar alergia.

Lagarta processionária do pinheiro

As lagartas desta espécie viajam juntas de árvore em árvore. Seu corpo é verde com listras amarelas e coberto por espinhos finos e esbranquiçados.

Os espinhos podem causar apenas uma alergia leve em humanos, mas são perigosos para animais de estimação, especialmente cães.

Taturana oblíqua

A última lagarta deste artigo é brasileira e vive em florestas tropicais.

Suas cores são marrom e verde, com um padrão listrado.

O veneno dessa lagarta pode impedir a coagulação do sangue, causando hemorragia.

Em casos mais graves, seu veneno pode levar à morte por problema renal ou por hemorragia cerebral.

Agora, já sabe: se avistar uma lagarta em plantas, flores ou no chão, corra dela!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

DEIXE SEU COMENTÁRIO

VEJA TAMBÉM