- PUBLICIDADE -

Error: Embedded data could not be displayed.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

A armadilha do efeito ioiô

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Ao ignorarem as particularidades de cada pessoa, as fórmulas e dietas prontas para emagrecer acabam mirando um alvo e acertando o seu oposto. Criadas com a intenção de servir para todo mundo, elas não atuam sobre situações específicas da bioquímica de cada um nem se voltam individualmente para a correção de hábitos alimentares. O resultado é que, apesar do efeito no curto prazo, acabam não sendo mantidas por longos períodos. Então os ponteiros da balança sobem novamente – quase sempre em velocidade assustadora.

É o famoso efeito ioiô, bem conhecido de quem costuma tentar toda nova dieta que surge. Além da frustração de recuperar os quilos perdidos, o movimento de engordar e emagrecer sobrecarrega a musculatura cardíaca e articulações, enfraquece as fibras de colágeno e aumenta a flacidez. É pior do que manter o peso estável, ainda que acima do ideal.

Por isso, é preciso sair do círculo vicioso. A medicina ortomolecular tem garantido excelentes e duradouros resultados no emagrecimento e, como não priva o organismo de nutrientes, tem como saldo maior viço na pele e total rejuvenescimento. Que tal, na próxima dieta, em vez de buscar milagres, apostar em resultados seguros?

Com o tempo, pessoas que fazem dietas constantes e vivem num movimento de engorda-emagrece passam a ganhar peso com maior rapidez e adquirem mais quilos extras do que haviam conseguido perder no regime.

Fonte: site do Dr. Rondó (texto adaptado)