Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Aids na visão holística

Desde o reconhecimento da epidemia, em 1981, a síndrome de deficiência imunológica adquirida (aids) tem se alastrado em todo o mundo, atingindo homens, mulheres e crianças. Enfim, a aids é uma crise da saúde pública que afeta a sociedade inteira. A cada minuto são contaminadas cerca de 200 pessoas com aids somente no Brasil, onde se estimam mais de dois milhões de casos. O vírus HIV, apontado como causador da aids, é introduzido no corpo humano através de relações sexuais, transfusão de sangue e seringa contaminada. O nome aids foi uma sugestão do médico Armstrong, de Nova Iorque, em 1982.
Ao ser introduzido no corpo, o referido vírus enfraquece o sistema imunológico humano, expondo a pessoa soropositiva a todo e qualquer tipo de enfermidade, em razão da ausência da defesa natural do organismo. Com isso, a pessoa contaminada não morre de aids, e sim de deficiência no sistema de imunidade, pois uma simples gripe pode levar o portador do HIV à morte. Em cada cem pessoas contaminadas com o vírus, a doença se manifesta em duas pessoas apenas; noventa e duas pessoas são portadoras da doença e não sabem, por não manifestar os sintomas.
Como funciona o sistema imunológico
Fazem parte do sistema imunológico humano a pele, as passagens respiratórias, os intestinos, o baço, o fígado, a medula espinhal, os nódulos linfáticos e o timo. Estes órgãos desempenham papéis essenciais na regulagem imunológica. Neles são formadas barreiras resistentes capazes de proteger o organismo contra a invasão por micro-organismos e substâncias químicas onipresentes no meio ambiente, como também de aniquilar as substâncias ofensivas.
O baço produz o sangue aproveitando o ferro e outras vitaminas assimiladas pelo fígado. A medula óssea ou espinhal produz as células sanguíneas brancas, conhecidas como leucócitos ou linfócitos, cujos “soldados biológicos” circulam através do sangue e tecidos, após serem preparados pelo timo para a “guerra biológica”, e, como vigilantes do sistema, eles aprisionam e aniquilam os vírus invasores do nosso corpo. O timo funciona como uma espécie de quartel-general, onde as células brancas recebem um preparo para agir como “soldados biológicos” no combate aos vírus e bactérias que invadem o nosso corpo.
Essas células brancas envolvidas na reação imunológica estão classificadas em “linfócitos T”, “linfócitos B” e “linfócitos supressores”; os da classe “T” combatem as bactérias, fungos, parasitas e vírus, destruindo-os numa luta corpo a corpo, enquanto os da classe “B” destroem as bactérias com uma espécie de míssil teleguiado, produzindo uma substância conhecida como “plasma”, que neutraliza as substâncias ofensivas, controlando as infecções parasitárias e alérgicas.
Os “linfócitos supressores” ou auxiliadores desempenham papéis de “lixeiros” e “corneteiros”. Os supressores classificados como “lixeiros” não matam vírus invasores do corpo, e sim saem engolindo ou digerindo células mortas e materiais estranhos (micróbios e “soldados biológicos” que morreram na batalha contra o agente infeccioso) e, por fim, transformam-se em pus no tecido infectado, ou em substâncias pútridas que são eliminadas pela urina, fezes ou pelo suor, em casos de infecções dos rins, intestinos e no sangue. Já no papel de “corneteiro”, quando os linfócitos “T” e “B” não conseguem vencer os agentes infecciosos na “guerra biológica”, esses “supressores” reagem inchando os nódulos linfáticos encontrados nas axilas, virilha e pescoço, uma forma de avisar que o sistema imunológico não conseguiu debelar a infecção; também esse alarme pode ser dado mediante uma febre alta, como forma de pedir ajuda, para sua defesa ou fortalecimento do sistema.
Quando introduzido no corpo humano, o vírus da aids visa, antes de tudo, “bombardear” o timo, tornando essa glândula endócrina ineficiente na preparação dos linfócitos para a “guerra biológica”. Então o vírus fica “incubado” dentro do indivíduo sem apresentar sintomas pelo período de sete anos e, nesse meio-tempo, o portador pode contaminar centenas de outras pessoas. Dotado de inteligência, o vírus HIV “mina” o timo e refugia-se a dois dedos abaixo do umbigo, alimentando-se de energia vital do indivíduo durante todo o período de incubação.
Como a aids se manifesta
Após enfraquecer o timo e, consequentemente, o sistema imunológico, o vírus da aids passa a se alimentar exclusivamente de “soldados biológicos”, especialmente os “linfócitos T”, durante a “guerra biológica” ou luta corpo a corpo, que dura longos sete anos de batalha. Depois de vencer e matar grande parte dos linfócitos T, enfraquecendo o organismo, o vírus HIV provoca queda de cabelo nas têmporas, região das orelhas do aidético. Alguns, para camuflar ou esconder os sinais da presença da doença, usam um boné invertido ou um lenço preso à testa. Outros mandam passar a navalha ao redor da cabeça. Para esconder os vestígios da doença, o cantor Cazuza se apresentava nos palcos para cantar com um lenço preso à testa.
Não há teste de laboratório específico para a aids. Para descobrir a moléstia, não precisa consultar um médico, pois os sinais da presença do vírus da aids são sentidos a partir do sétimo ano de incubação no organismo humano, com a alteração do sistema imunológico, que é sentida com os seguintes sintomas:
a) inchamento das glândulas linfáticas em vários lugares do corpo, na frente e atrás do pescoço, atrás das orelhas, sobre as clavículas, debaixo dos braços, nos cotovelos e na virilha;
b) perda rápida de peso corporal; a aids é uma doença definhadora;
c) fadiga intensa e indisposição durante mais de uma semana;
d) febres e suores seguidos de calores constantes;
e) hemorragias anormais; cortes podem levar muito tempo para fechar;
f) erupções da pele e das mucosas, dentro do nariz, boca ou ânus;
g) respiração curta seguida de tosse;
h) dores de cabeça persistentes seguidas de perda de consciência, etc.
Prevenção e cura
Enquanto todos os países do mundo enfrentam a aids como uma doença incurável, na China, onde a população é da ordem de 1 bilhão e 130 milhões de habitantes, em dezembro de 1991 foram registrados apenas 32 casos, dos quais somente duas pessoas morreram; os 30 doentes restantes foram submetidos a um tratamento de purificação do sangue e fortalecimento do sistema imunológico, mediante técnicas de hidroterapia, massagem e regime exclusivamente vegetariano, conseguindo a recuperação do doente.
Para se prevenir contra a doença, é necessário reduzir o número de parceiros sexuais, evitar contato carnal com qualquer pessoa que pareça doente, evitar o uso de drogas intravenosas, abster-se de doar sangue ou fazer transfusão se usa drogas, evitar sexo anal e oral. Também fortalecer o sistema imunológico com a prática de higiene, exercícios físicos, boa nutrição, repouso adequado de seis a oito horas na noite e redução de esforços físicos exagerados, além de redução do consumo de alimentos cozidos. Antes de consumir alimentos cozidos, ingerir alimentos crus sob forma de saladas de vegetais (no almoço) e frutas (no café da manhã).
Mesmo que tenha adquirido o vírus da aids, você pode varrê-lo do seu organismo adotando um programa de bem-estar composto dos seguintes remédios naturais: ar puro via diafragma (respiração abdominal) diariamente; água pura, natural, sem gelo, tomar de seis a oito copos por dia; alimentação natural, à base de vegetais (frutas, saladas cruas e grãos); exercício físico diariamente nas primeiras horas do dia; e confiança em Deus, pois sem um envolvimento com o seu Criador o homem perde suas origens e seu organismo não será suficientemente forte para reagir contra os vírus invasores do corpo. Este é o único meio de fortalecer o sistema imunológico e vencer a aids, e depois de sete anos de tratamento associado aos métodos naturais de cura – do-in, dieta crua, acupuntura, geoterapia e hidroterapia – a pessoa que teve seus testes positivos terá a felicidade de ouvir do seu médico que esses testes positivos foram transformados em negativos.
Tratamento natural da aids
A medicina alopata, até o presente momento, ainda não encontrou o meio eficaz para a cura da aids. A cura está na natureza, pois consiste na limpeza do sangue e no fortalecimento do sistema imunológico. Entre os cuidados especiais, deve-se eliminar as toxinas do corpo do doente e cercar este de carinho acompanhado de palavras de ânimo e otimismo.
Eis a receita natural:
1. Tomar o suco puro de dois limões, em jejum, às 6 horas da manhã; e até às 9 horas tomar meio copo de água de meia em meia hora; às 9 horas comer aveia em flocos crua com ameixas; 10 horas, suco de couve e tanchagem.
2. Manter uma dieta de alimentos crus: frutas e saladas de verduras e legumes e sucos naturais nos intervalos das refeições. Enquanto não puder alimentar-se de comidas sólidas, preparar a seguinte panelada: colocar em uma panela de barro pão velho moído com algumas gotas de azeite de oliva, uma pitada de sal, manteiga de gado e um ovo de galinha de capoeira. Cozinhar tudo junto, mexer o tempo todo, e comer quente quando sentir fome. Nos intervalos, tomar os seguintes sucos, durante dez dias: primeiro dia, uma laranja e uma folha de couve; segundo dia, um laranja, uma folha de couve e duas folhas de caqui; terceiro dia, uma laranja, uma folha de couve e um galho de alfafa; quarto dia, uma laranja, uma folha de couve e um galho de beldroega; quinto dia, uma rodela de abacaxi, duas folhas de mandioca e uma folha de couve; sexto dia, uma rodela de abacaxi, duas folhas de mandioca e uma folha de couve; sexto dia, uma rodela de abacaxi, uma folha de abóbora e uma folha de couve; sétimo dia, uma rodela de abacaxi, um galho de espinafre, uma folha de abóbora e uma folha de couve; oitavo dia, uma folha de beterraba, uma folha de couve e um punhado de uvas-passas; nono dia, duas folhas de batata-doce e um punhado de sementes de melão; décimo dia, um galho de cenoura, um galho de salsa e um punhado de uvas-passas.
3. Colocar quinze gotas de tintura de própolis em meiocopo de água e, após fazer bochechos e gargarejos, tomar quatro vezes ao dia. Lavar os ferimentos com chá de cavalinha ou de alecrim-de-canteiro e confrei; pomada de guaco dia sim, dia não.
4. Manter uma vida saudável em harmonia com a natureza, tomando ar puro, bebendo água pura, com uma alimentação natural, exercício físico e muita confiança em Deus.
Fonte: Terapeuta Natural (texto adaptado)
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

DEIXE SEU COMENTÁRIO