Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

A incrível história da família do povo azul

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

A história do povo da pele azul é marcada por muito sofrimento e preconceito.

Você já imaginou pessoas nascendo com a cor de pele azul?

É até difícil levar essa pergunta a sério, não é mesmo?

Mas, acredite, isso aconteceu na década no ano de 1820.

O órfão francês Martin Fugate chegou ao sudeste dos EUA, no estado de Kentucky, e se casou com a americana Elizabeth Smith.

Até aqui, parece uma história comum.

Acontece que Fugate havia nascido com uma raríssima condição genética, que permitia sua pele ser azul índigo.

Não, não é um roteiro de ficção científica nem nada parecido.

A medicina explica que isso é possível, caso os níveis de metemoglobina nos glóbulos vermelhos sejam superiores a 1%.

Neste caso, a pessoa não só nasce azul, como também nasce com os lábios roxos e com o sangue da cor de chocolate.

Martin e Elizabeth tiveram sete filhos, quatro deles puxaram ao pai.

Quem pensa que essa alteração se trata de alguma espécie de evolução humana, muita calma!

A ciência acredita mesmo é que a metemoglobinemia pode ser resultado da exposição excessiva de produtos químicos, como benzocaína e xilocaína.

É possível que primeiro essas substâncias tenham causado deficiência numa enzima chamada citocromo-b5, que acabou sendo passada para gerações seguintes.

O problema pode causar graves perturbações no organismo, mas felizmente para Fugates e seus parentes a metemoglobinemia não causou nenhum tipo de problema na saúde.

A prova é tanta que os descendentes do senhor Fugate, que também nasceram com essa rara condição, viveram muito bem por 80 a 90 anos.

Como você já deve imaginar, essa família sofreu muito preconceito e rejeição da comunidade local, o que acabou fazendo com que eles se isolassem em Troublesome Creek, formando um pequeno povoado com péssima acessibilidade.

O problema foi quando os jovens solteiros chegaram na idade de se casar.

Por haver poucas opções, tornou-se comum a união entre parentes.

Essa situação só fez aumentar o número de pessoas com  metemoglobinemia, pois a condição é potencialmente mais provável dentro de relacionamentos consanguíneos.

O caso de Martin e Elizabeth é curioso porque ela era branca e portadora de um gene anormal.

Sim, ela também tinha esse mesmo traço genético no DNA!

Isso foi suficiente para que eles gerassem filhos azuis.

O povoado habitado pela família Fugate acabou se tornando uma incrível incubadora para o desenvolvimento de pessoas com pele azul.

As coisas começaram a mudar a partir da década de 70, com a chegada do doutor Madison Cawein.

Atraído pela curiosa história, o médico recrutou a enfermeira Ruth Pendergrass para viajarem até Kentucky, a fim de investigar o caso.

A dupla ficou impressionada com o casal Patrick e Rachel Ritchie, que eram impressionantemente azuis e envergonhados por isso.

Após alguns exames, o doutor Cawein resolveu montar uma árvore genealógica para se certificar do que já suspeitava: metemoglobinemia.

“Mas o que será que estava causando essa condição?” – ele se perguntava constantemente.

Poderia ser a formação anormal de hemoglobina ou, quem sabe, o excesso de vitamina K?

Depois de tantas pesquisas, eis a conclusão: aquela família não possuía a enzima diaforase.

Sabendo disso, o médico aplicou uma dose de azul de metileno, um remédio capaz de transformar a pele azulada na cor rosa.

Apesar de ter sido um momento emocionante, o efeito foi temporário.

Cada vez que faziam xixi, iam perdendo a coloração ganha pela manipulação do medicamento.

Mas o doutor Cawain não desistiu.

Preparou uma fórmula saudável e deixou os comprimidos com a família Fugate, a fim de que ela tomasse diariamente.

Deu certo!

Com a cor rosada da pele, muitos se sentiram confortáveis para socializar com as pessoas de outras cidades.

Assim, o número de casamentos consanguíneos foi diminuindo até se tornar apenas uma lembrança.

E o povo da pele azul passou a ser apenas um relato de uma história triste, mas com final feliz.