Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

75% dos frangos contaminados por substância cancerígena – chegou a hora de saber a verdade que esconderam de você por anos!

Se você ainda não entende a necessidade de consumir apenas alimentos orgânicos, então esta matéria pode esclarecer sobre o assunto.

Muitos vegetais que chegam à nossa mesa são pulverizados com pesticidas e outras substâncias tóxicas.

Além disso, animais de fazenda, que pensamos ter uma carne saudável, consomem antibióticos e outros produtos químicos.

O resultado disso é a contaminação do meio ambiente e, automaticamente, dos alimentos.

Para quem não sabe, o frango, que é uma das carnes mais baratas, tem um altíssimo índice de arsênico, um metal pesado muito tóxico ao ser humano.

Estamos falando de uma contaminação que atinge 75% dos frangos  comuns.

E quem diz isso é a Food and Drug Administration (FDA), o órgão do governo dos Estados Unidos responsável pelo controle de alimentos e medicamentos.

Ou seja, o risco de consumirmos a carne de frango com arsênico é enorme.

O arsênico é adicionado propositalmente à ração dos frangos e, o mais grave, é que o FDA confirma que suas próprias pesquisas demonstram que o arsênico fica depositado na carne do frango.

Como consequência, acaba sendo ingerido por todos que consomem a carne de frango.

O arsênico é usado comumente como aditivo na ração de frangos para promover um rápido e não natural crescimento do bicho.

Ele contamina o solo, fontes e lençóis freáticos, quando o excremento desses animais é utilizado como fertilizante.

E no Brasil, será diferente?

Análise feita por pesquisadores da Universidade Federal de São Carlos, estado de São Paulo, constatou que o quadro aqui não é muito diferente.

Os pesquisadores brasileiros concluíram: "A determinação do teor total de arsênico nos digeridos indicou a presença desse contaminante em alguns compartimentos, o que provavelmente pode ocasionar a liberação do elemento no ambiente ou na dieta humana, sendo uma potencial fonte de contaminação da cadeia alimentar. Pode-se também observar que os teores de arsênio variaram significativamente nas amostras de ração e que o contaminante foi encontrado principalmente nas amostras que intercalam o ciclo, como as rações de crescimento, postura e engorda e, eventualmente, pela utilização do estimulante nessa fase da produção".

Se quiser ler o resumo do estudo feito por pesquisadores da Universidade Federal de São Carlos, clique AQUI.

O resultado do consumo e acúmulo desse metal pesado no corpo é uma série de sintomas, como:

Quem tem contato com arsênico inorgânico por muito tempo pode acabar tendo:

– Lesões na pele

– Alteração de pigmentação

– Neurotoxicidade

– Diabetes

– Doenças cardiovasculares

– Câncer

E, em casos extremos, pode chegar até a morte.

Depois que o FDA admitiu que o frango comum é cheio de arsênico (orgânico e inorgânico), fabricantes de ração prometeram retirar a perigosa substância dos seus produtos.

Mas será que dá para confiar nessa promessa?

Por mais de 50 anos, usou-se livremente arsênico na dieta dos frangos para estimular o crescimento das aves.

E só recentemente o FDA admitiu.

Quantas pessoas não morreram de câncer ou outras doenças por causa disso?

Essa irresponsabilidade tem um nome: ganância.

O OUTRO LADO

Se você leu a notícia com atenção, leitor, verá que em determinado trecho perguntamos: "E no Brasil, será diferente?"

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) garante que sim.

E ficamos felizes com a notícia!

Educadamente, a assessoria de imprensa da ABPA entrou em contato conosco e nos pediu que publicássemos uma nota em que a associação afirma que o frango produzido no Brasil não tem os mesmos inconvenientes do produzido nos Estados Unidos.

Aqui está a nota na íntegra:

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), que representa todos os elos da avicultura e da suinocultura do Brasil, vem manifestar repúdio à notícia publicada pelo "Cura Pela Natureza, com o título “75% dos frangos têm substância cancerígena”.
Sobre esta matéria, que trata de uma divulgação antiga (de 2013) ocorrida nos Estados Unidos, é válido destacar que há anos os ARSENICAIS (substâncias referidas no texto) não são utilizados pela cadeia produtora de carne de frango do Brasil.
A proibição desta substância em nosso sistema produtivo é regulamentada pela Portaria n° 31 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, publicada em 29 de janeiro de 2002.
 Ao mesmo tempo, toda e qualquer possibilidade de eventual uso ilegal é eliminada por meio do rígido controle de resíduos impostos pelo Programa Nacional de Controle de Resíduos e Contaminantes (PNCRC), mantido pelo Ministério da Agricultura e acompanhado pelos mais de 150 países para os quais exportamos.
Como líder mundial nas exportações de carne de frango, o Brasil exporta um terço de tudo o que produz, em um sistema no qual é praticamente inviável separar o que é embarcado para o mercado internacional e o que fica no mercado interno (salvo o sistema halal, que exige procedimentos específicos religiosos).  Ou seja: tudo o que embarcamos para outros mercados com complexos sistemas de controle (como União Europeia, Japão e outros) sai da mesma linha de produção que abastece a mesa do consumidor brasileiro.
Neste sentido, é fundamental explicitar que notícias como estas, sem a devida investigação junto aos profissionais técnicos e pesquisadores da área de medicina veterinária e zootecnia que atuam na avicultura, criam inverdades que podem ter consequências desastrosas junto ao consumidor. Esta mesma notícia já foi replicada por diversos sites e redes sociais.
Além de injusta, tal matéria prejudica exatamente o público a quem se destina: o consumidor.  Isto, pois frente a esta informação equivocada e sem a oportunidade de uma “contraposição”, acaba por desacreditar um alimento reconhecidamente saudável, nutritivo, recomendado nas mais variadas dietas e com preço razoável, contribuindo para a segurança alimentar do país neste momento de crise econômica.
Mais ainda, pode interferir de forma negativa em um sistema produtivo que gera mais de 3,5 milhões de empregos diretos e indiretos, profissionais estes que trabalham e investem em uma cadeia de alimentos com décadas de tradição.
A carne de frango é um produto saudável e nutritivo, que segue os mais rigorosos controles de qualidade.   É fundamental levar a correta informação ao público, evitando que inverdades e injustiças perpetuem como mitos que apenas prejudicam o próprio consumidor

Este é um blog de notícias sobre tratamentos caseiros. Ele não substitui um especialista. Consulte sempre seu médico.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

DEIXE SEU COMENTÁRIO