A zika chegou ao Brasil há pouco mais de um ano.
 
É uma doença aparentemente inofensiva.
 
Seu nome é uma referência à floresta onde surgiu, na Uganda, África.
 
A zika, ou melhor, o vírus da zika é transmitido pelo mesmo mosquito da dengue, o Aedes aegypti.
 
Seus sintomas se assemelham aos de uma gripe forte com febre, dores pelo corpo e algumas manchas vermelhas na pele que podem coçar. 
 
Esses sintomas desaparecem de 3 a 7 dias.
 
Como os sintomas geralmente regridem de forma natural, a maioria nem procura o médico e fica sem saber que tiveram o zika vírus. 
 
E, mesmo que procurassem, muitos receberiam o famoso diagnóstico “é uma virose”. 
 
Sim, é uma virose.
 
Mas as viroses não são iguais.
 
A zika mata?
 
Até agora, não há registros de mortes pelo Zika vírus. 
 
O Zika é para nós brasileiros um vírus “novo” e, por isso, desconhecido até pela comunidade científica.
 
O problema é que a zika não está só.
 
Ela está trazendo junto mais duas perigosas ameaças à população: a microcefalia em bebês e a síndrome de Guillain Barré.
 
Até pouco tempo, não havia estudos demonstrando a relação entre o vírus da zika e a microcefalia em bebês (má-formação que de acordo com níveis pode levar a ter deficiência mental, motora, problemas de audição e visão).
 
Mas o Brasil mudou a história.
 
O atual surto de microcefalia que atinge principalmente, por enquanto, estados do Nordeste do país acendeu o sinal de alerta e mostra que o vírus da zika não é nada inofensivo.
 
Além disso, existem suspeitas de que a zika provoca em parte de pacientes uma grave doença neurológica autoimune, a Guillaim-Barré. 
 
Há registros de casos desta doença na Bahia e em Pernambuco. 
 
Os pacientes geralmente desenvolvem o problema semanas depois da fase aguda da infecção por zika. 
 
A doença provoca uma forte paralisia no corpo e o tratamento exige internação e acompanhamento por um longo período, até a completa reabilitação.
 
A maior parte dos pacientes percebe a doença através de sensação de parestesias, que são sensações cutâneas como frio, calor e formigamento, nas extremidades dos membros inferiores e, em seguida, superiores.
 
Por esta razão, não podemos menosprezar a epidemia de zika que começa a se alastrar pelos país, porque ela traz junto, como vimos, mais dois graves problemas.
 
A zika é, repetimos, transmitida pelo vírus da dengue.
 
Então a população tem que fazer a sua parte e parar de criar ambientes propícios para a proliferação desse mosquito.
 
Assim, o mais importante é erradicar os focos do mosquito. 
 
Atitudes simples como colocar areia no prato de vasos de plantas e não acumular água parada já diminuirão bastante o risco.
 
 
Além disso, é preciso fortalecer a imunidade.
 
Vírus e outros invasores que podem ameaçar nosso corpo não sobrevivem em um sangue alcalino, é o que entendem os praticantes da medicina natural.
 
As doenças precisam de sangue ácido para se manifestar.
 
E a alimentação é a melhor forma de conseguir um equilíbrio alcalino no nosso corpo e torná-lo mais resistente.
 
Veja o que não comer e o que comer para alcalinizar seu sangue:
 
Alimentos ácidos
 
- O açúcar refinado (o pior de todos)
 
- Leite e derivados (exceção o iogurte)
 
- Derivados de farinha refinada (biscoitos, bolachas, pizza, doces, bolos, etc.)
 
- Carnes
 
- Sal refinado
 
- Margarina
 
- Refrigerante
 
- Bebida alcoólica
 
- Bebidas com cafeína
 
- Medicamentos industrializados
 
- Tudo o que possui corantes, conservantes, estabilizantes, aromas artificiais, etc.
 
- Qualquer alimento cozido, incluindo legumes que, quando crus, são alcalinos (o cozimento remove oxigênio e acidifica os alimentos).
 
- Todos os alimentos industrializados 
 
Alimentos alcalinos
 
- Frutas, principalmente o limão, que tem uma alto poder alcalinizante
 
- Os legumes e verduras crus (especialmente as folhas verdes)
 
- O painço, o único cereal alcalinizante e, portanto, excelente para a saúde. Por ser alcalino, depois de cozido, ele é apenas levemente acidificado
 
- Sementes como amêndoas
 
- Brotos e germinados
 
- Mel puro
 
- Água alcalina
 
- Água de coco (fresca)
 
- Babosa
 
Além da alimentação, quem quer alcalinizar o sangue e mantê-lo assim, precisa praticar regularmente exercícios.
 
Isso porque a atividade física oxigena o corpo, enquanto o sedentarismo acidifica.
 
Mas atenção: exercício em excesso é prejudicial e também acidifica o corpo.
 
Você pode também reforçar a alcalinização do seu corpo consumindo água morna com suco do limão todos os dias em jejum.
 
Ou pode fazer esta poderosa bebida alcalinizante:
 
 
INGREDIENTES
 
1 colher (chá) de bicarbonato de sódio
 
1 colher (chá) de mel
 
Suco puro de meio limão
 
MODO DE PREPARO
 
Misture os ingredientes, espere um pouco e beba em seguida.
 
Faça e tome três vezes ao dia.
 
Esta bebida alcalinizante  e todo o processo de alcalinização servem para nos proteger contra todo o tipo de vírus e doenças, como zika, dengue e chicungunha.
 
Este é um blog de notícias sobre tratamentos caseiros. Ele não substitui o trabalho de um especialista. Consulte sempre seu médico.
Seção: 

Imagens vistas recentemente

Entre em contato

Queremos receber sua opinião

Se você tem uma crítica, sugestão ou quer nos indicar uma receita/tratamento caseiro, entre em contato conosco

curapelanaturezablog@gmail.com

Continue conectado

Esclarecimento

Este blog tem a finalidade de ajudar, mas não substitui o trabalho de um especialista. Consulte sempre seu médico.