Nos Estados Unidos, a dra. Mary Newport está fazendo uma investigação sobre o uso de óleo de coco contra a doença de Alzheimer.

Sessenta e cinco pacientes com quadro de leve a moderado de Alzheimer estão sendo estudados para avaliar os efeitos do óleo de coco contra a doença, numa comparação com um placebo.
 
A dra. Newport espera ter os resultados dentro de um ano.
 
O mal de Alzheimer é um problema que atingiu a própria família da cientista, cujo marido tem lutado contra a doença há anos.
 
"Atualmente não existem dados clínicos que mostram os benefícios do óleo de coco sobre a prevenção e tratamento da demência", declarou a pesquisadora.
 
Mas ela disse que começou a ver melhorias no marido depois que começou a dar a ele quatro colheres (sopa) de óleo de coco por dia.
 
"Antes do óleo de coco, ele não conseguia amarrar os sapatos e caminhava lento ...
 
Isso melhorou.
 
Hoje ele caminha normalmente e voltou a correr.
 
Ele também voltou a ler, a conversa melhorou enormemente e, em seguida, ao longo de vários meses, vimos melhorias em sua memória ".
 
Antes de iniciar o tratamento com óleo de coco, segundo a dra. Newport, nenhuma das medicações existentes estava dando resultado.
 

Óleo de coco parece ser um alimento ideal para o cérebro

Existem apenas dois tipos de alimentos que o seu corpo pode converter em energia: carboidratos/açúcar e gordura.
 
As cetonas são o que seu corpo produz quando converte gordura (em oposição à glicose) em energia.
 
E uma fonte primária de corpos cetônicos são os triglicérides de cadeia média (TCMs) encontrados no óleo de coco.
 
De fato, o óleo de coco contém cerca de 66% de TCMs.
 
Triglicérides de cadeia média são gorduras que não são processadas ​​pelo seu corpo da mesma maneira como os triglicérides de cadeia longa.
 
Normalmente, a gordura que entra no seu corpo deve ser misturada com a bile liberada pela sua vesícula biliar antes de poder ser processada pelo sistema digestivo.
 
Mas os triglicerídes de cadeia média vão diretamente para o seu fígado, que converte naturalmente a gordura em cetonas, ignorando a bile inteiramente.
 
Seu fígado então libera imediatamente as cetonas em sua corrente sanguínea, de onde são transportadas até o seu cérebro para ser facilmente utilizadas como combustível.
 

De quanto óleo de coco você precisa

 
Os níveis terapêuticos de TCMs têm sido estudados para algo em torno de 20 gramas por dia.
 
De acordo com cálculos da dra. Newport, um pouco mais de duas colheres de sopa de óleo de coco (cerca de 35 ml ou sete colheres de chá) iriam fornecer-lhe o equivalente a 20 gramas de TCMs, que é indicado tanto como uma medida preventiva como para o tratamento de doenças neurológicas degenerativas, como Alzheimer e Parkinson.

 
Mais pesquisa certamente precisa ser feita nesta área.
 
Mas os resultados obtidos pela dra. Newport com o marido são bem reveladores e promissores.
 
E, dessa forma, não há por que não incorporar o óleo de coco em sua dieta ou na de um ente querido que está apresentando sintomas de degeneração cerebral.
 
O óleo de coco tem muitos benefícios para a saúde, ele não vai fazer mal nenhum.
 
É importante notar que as pessoas toleram o óleo de coco de maneira diferente e você deve começar de forma devagar a usar essa gordura antes de chegar aos níveis terapêuticos.
 
Nossa sugestão é começar com uma colher de chá, tomando-a com alimentos no período da manhã.
 
Aos poucos, adicione mais óleo de coco todos os dias até ser capaz de tolerar cerca de duas a quatro colheres de sopa.
 
É melhor tomá-lo com comida, para evitar problemas no seu estômago.
 
 

Este é um blog de notícias sobre tratamentos alternativos. Ele não substitui o trabalho de um especialista. Consulte sempre seu médico.

Seção: 

Imagens vistas recentementes

Entre em contato

Queremos receber suas opniões

Se você tem uma crítica, sugestão ou quer nos indicar uma receita/tratamento caseiro, entre em contato conosco

curapelanaturezablog@gmail.com

Continue conectado

Esclarecimento

Este blog tem a finalidade de ajudar, mas não substitui o trabalho de um especialista. Consulte sempre seu médico.