Quimioterapia: fazer ou não fazer? | Cura pela Natureza.com.br

Quimioterapia: fazer ou não fazer?

-->
Muita gente pensa que o único e o mais eficiente tratamento contra o câncer é a quimioterapia. Pelo menos é isso o que é divulgado pela medicina ortodoxa ou tradicional.

Antes de refletir sobre o assunto, citarei um caso recente.

Marcos começou com uma dor na barriga. Uma dorzinha chata, que vinha e parava. Ele procurou um médico e este lhe disse que não era nada. Como sempre receitou um remédio para dor.

Mas a dor não cessava e Marcos procurou novamente o médico, que desta vez resolveu passar uns exames, que nada detectaram.

Marcos foi vivendo com a dor e, sempre que não agüentava, procurava a emergência. Nesse vaivém, vários médicos o examinaram e alguns até disseram que era “manha” dele.

Certo dia um desses médicos desconfiou que o problema era a vesícula e não deu outra: cortaram o pobre órgão.

As dores de Marcos, entretanto, continuaram.

Ele começou a ser internado várias vezes com dores horríveis. E ainda havia médicos que diziam que era “manha”.

Até que veio o triste diagnóstico: câncer no pâncreas.

E qual foi a indicação? Quimioterapia.

Eu acompanhei o caso desde o início e indiquei alguns tratamentos. Eu não convivia com Marcos, mas conheço a mulher dele. Era um casal apaixonadíssimo, lindo, perfeito... Aí vem essa assassina quimioterapia e destrói todo esse castelo de sonhos. Sim, porque menos de seis meses depois do diagnóstico Marcos se foi. Mas quem o levou assim tão rápido não foi o câncer, e sim a quimioterapia.


O CÂNCER NÃO É UM INIMIGO
O que muitos não sabem é que o câncer é o último grito de socorro do corpo, que diz “ESTOU EM DESCOMPASSO! AJUDE-ME, POR FAVOR!”

Na contramão, porém, vêm os médicos alopatas e fazem o contrário: promovem uma verdadeira dedetização no ser humano, matando inclusive as células boas, que, se fossem fortalecidas, elas mesmas expulsariam do corpo as células cancerosas. Mas como curar se matamos o exército bom?

Na maioria das vezes as pessoas não entendem isso e maldizem o câncer. Há até os que não gostam de dizer o nome dele: chamam “aquela doença”.

Na verdade, quando uma pessoa está com câncer, suas chances de vida são praticamente nulas, principalmente se ela procura logo a medicina ortodoxa, cujo tratamento são a quimioterapia e a radioterapia, que nada fazem a não ser apressar a morte do doente.

Eis algumas conseqüências da quimioterapia:

A quimioterapia provoca náuseas, perda de apetite ou desejo de comer, levando o paciente a morrer de subnutrição.

A quimioterapia pode destruir o revestimento do trato digestivo, tornando impossível para o corpo absorver os nutrientes dos alimentos ingeridos, levando à subnutrição.

A quimioterapia destrói o sistema imunológico.

A quimioterapia mata órgãos vitais, como fígado e coração.

A quimioterapia ajuda a espalhar o câncer, pois biópsias cirúrgicas podem liberar células cancerosas na corrente sanguínea, fazendo o câncer se espalhar por metástase.


Os tratamentos naturais de câncer, em contrapartida, não fazem mal às células saudáveis, por isso podem ser usados em doses muito maiores que as da quimioterapia e sem intervalos no tratamento.

O problema é que a maioria das pessoas tem medo de procurar em primeiro lugar a medicina alternativa porque acha que os tratamentos não funcionam e são muito demorados. (Não vou nem comentar o fato de o tratamento alternativo de câncer não ser coberto pelos planos de saúde...) Isso é um engano, pois há na medicina alternativa gente que sabe como curar a maioria dos casos de câncer.

Existem também aquelas pessoas que ficam em cima do muro: seguem os dois tratamentos. E isso de quase nada adianta. No caso e Marcos, ele fez o tratamento com avelós e auto-hemoterapia, mas não foi acompanhado por um terapeuta natural, só pelo médico alopata. Durante as sessões de quimioterapia, enquanto fazia a auto-hemoterapia, ele não precisou de transfusão de sangue, pois o número de plaquetas estava bom. Mas o médico mandou parar a auto-hemoterapia, dizendo que ela de não servia para nada – foi aí que Marcos ficou mais fraco e não resistiu.

A maioria dos doentes de câncer só busca a medicina alternativa depois de ser desenganada pelos médicos. Aí já é tarde, pois a quimioterapia não atinge somente as células cancerosas. Pelo contrário: ela mata muito mais células saudáveis do que células cancerosas, pois não tem ação seletiva.

Existem muitos tratamentos alternativos de câncer que usam substâncias naturais, como vitamina C e cenoura. Cada um deles é, sem sombra de dúvida, mais eficaz que a quimioterapia e a radioterapia e pode curar se a pessoa começar o tratamento imediatamente após o diagnóstico.

Os tratamentos alternativos de câncer geralmente incluem nutrientes que fortalecem o sistema imunológico, não causam dor, suprem grandes quantidades de nutrientes naturais, não espalham o câncer e matam células cancerosas sem causar danos às células normais.

Em resumo: a medicina alternativa não trata o sintoma, ela corrige o problema para que ele não mais ocorra.

O QUE CAUSA O CÂNCER?
O câncer geralmente é causado por uma combinação de duas coisas: uma dieta pobre e um carcinogênico.

Basicamente a fórmula é esta: uma pessoa tem uma dieta pobre, o corpo se enche de fungos, um carcinogênico é introduzido no corpo e a pessoa desenvolve câncer, geralmente devido a fungos.

A cirurgia nem sempre funciona porque se retira o câncer, mas a causa dele não é retirada e outros podem reaparecer.

A essa dieta pobre se juntam o aspartame, o amálgama dental e os ácidos graxos trans – três elementos que podem ser as principais causas do câncer.

O aspartame é conhecido por ser a causa principal de câncer do cérebro, sobretudo em pessoas com menos de 40 anos que usam aspartame (toda vez que uma pessoa toma um refrigerante diet algumas células do seu cérebro morrem).

O mercúrio do amálgama dental enfraquece gravemente o sistema imunológico. E em muitos casos o câncer é apenas um sintoma de um sistema imunológico enfraquecido.

Os ácidos graxos trans são moléculas rígidas que se agarram às paredes das células (no lugar de moléculas flexíveis de colesterol). Essa rigidez faz com que a célula seja incapaz de absorver moléculas grandes, como insulina (os ácidos graxos trans são talvez a principal causa da diabete tipo II) e os aglomerados de oxigênio (o oxigênio viaja pelo corpo em aglomerados). Como os aglomerados de oxigênio não podem entrar nas células, os ácidos graxos trans podem tornar as células anaeróbicas, o que é o primeiro passo para a célula se tornar cancerosa.

Os alimentos industrializados são ricos nesses ácidos – margarina, bolacha, biscoito (principalmente os recheados), maionese, patês...

O glutamato monossódico também está na lista dos alimentos que causam câncer. Ele está presente em quase todos os alimentos processados, funcionando como realçador de sabor em sopas, bolachas, salgadinhos, catchup e uma infinidade de alimentos.